Quem sou eu

José ReinaldoJosé Reinaldo, Jornalista, escritor, cientista político, especialista em Política e Relações Internacionais, militante comunista, dedicado à luta de ideias e à solidariedade internacional. Baiano, radicado em São Paulo, corintiano com certeza.

A humanidade atravessa um momento crucial em sua existência, caracterizado por terríveis paradoxos. Jamais em toda a história foram tamanhas as possibilidades de desenvolvimento econômico, progresso social, justiça, igualdade e paz.

Por outro lado, são avassaladoras as ameaças à própria vida do ser humano no planeta. Uma crise estrutural e sistêmica do capitalismo liquida conquistas obtidas com sangue, suor e lágrimas pelos que tiram seu sustento do trabalho.

Os anos recentes foram marcados por muitas ilusões de que os governos burgueses – conservadores ou social-democratas – seriam capazes de encontrar soluções virtuosas para os impasses do capitalismo e abrir uma nova era de desenvolvimento. O ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, inebriado com passageiros indicadores econômicos positivos, chegou a vaticinar a superação das leis econômicas objetivas descobertas por Marx.

Acadêmicos pretensiosos e escribas social-democratas urdiram a fábula da restauração da liderança econômica estadunidense. Predispostos, renderam-se fascinados ao mito e cuidaram de desmoralizar as proposições de rupturas revolucionárias como delírios catastrofistas. Confundindo defensiva estratégica com adaptação à "ordem" do "fim da História", rebaixaram a estratégia da esquerda a uma gradual "superação do capitalismo".

A realidade se impôs de maneira dramática, com o prolongamento da crise estrutural e sistêmica, para a qual o repertório de medidas chamadas "anticíclicas" dos governos a serviço dos monopólios do capital financeiro revelou-se inteiramente inócuo. Há muita retórica, pacotes supostamente voltados para a recuperação econômica e a solução dos problemas sociais, teorizações vazias e confusas e até a tentativa de ressuscitar antigos paradigmas.

Sobre esta base, germinam e se desenvolvem os conflitos políticos, reveladores das principais características do sistema político dominado pela burguesia monopolista-financeira e pelas potências imperialistas. Cada vez mais, como constatara Lênin há um século, este tende ao reacionarismo e à guerra.

Crescem como nunca, independentemente de quem ocupa os governos de turno nas grandes potências que dominam o mundo, as tendências antidemocráticas, a criminalização e repressão às lutas sociais, o militarismo e o belicismo. As armas nucleares, os pactos agressivos como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), as bases militares espalhadas pelo mundo fazem parte desta tendência.

Há uma escalada de pressões, ingerências e ameaças de agressão a vários países que lutam para se afirmar como Estados soberanos. No alvo da ofensiva imperialista estão os países do Oriente Médio, como a Síria e o Irã, obstáculos que o imperialismo estadunidense e seus aliados pretendem remover para executar seu antigo plano de domínio da região, estratégica do ponto de vista econômico e geopolítico para forças que ambicionam o domínio do mundo.

Na Ásia, a potência estadunidense desenvolve um jogo estratégico de longo prazo, tendo como alvo a China. De imediato, reorienta sua estratégia militar para a região, ao tempo em que tenta aniquilar a Coreia Popular.

Na América Latina, o imperialismo atua para isolar, estrangular e derrotar as experiências revolucionárias. No seu alvo estão Cuba e Venezuela, prioritariamente. O imperialismo estadunidense não aceita o fim da era do pan-americanismo sob sua hegemonia e tudo fará para impedir que na região um dia chamada de Nossa América pelo líder independentista cubano José Martí, forme-se um novo polo geopolítico soberano e progressista.

No lado oposto, a resistência e a luta dos povos evoluem, ainda que acidentadamente, com altos e baixos, avanços e recuos, na maioria das vezes contornando obstáculos aparentemente intransponíveis e percorrendo ínvias encruzilhadas.

O imperialismo exibe força descomunal e a cada momento convence os povos do seu poder de destruição. Mas não consegue retirá-los da luta, nem abater sua Resistência. É poderoso, mas não é capaz de impor sua vontade, mesmo que pela força. Não é invencível, pode ser derrotado.

No processo da luta, as forças do progresso social, da democracia popular, do socialismo formarão suas convicções, alcançarão níveis de organização e mobilização, acumularão os fatores favoráveis a abrir nova época histórica. O importante é não capitular, resistir e lutar, lutar e resistir. Nas condições atuais do mundo, resistir já é vencer.

Este blog será um espaço de debate e interação com todos aqueles que se dedicam à Resistência e confiam em que é possível abrir e percorrer os caminhos que levarão à emancipação da humanidade.